27.07.2016   |   Poland

Industrie 4.0: O NowyStyl Group produz 4000 peças de mobiliário por tu

A linha de montagem do fabricante de mobiliário de escritório é uma das mais modernas do mundo. A fábrica ligada em rede proporciona uma operação totalmente automática, além de fabricar móveis personalizados de forma industrial.

Seguir o fluxo de peças desde aqui de cima é fascinante. Não hesitaria em encarregar novamente o HOMAG Group para construir a instalação.

Jerzy Krzanowski, Administração do Nowy Styl Group

A linha de montagem na nave de 24 000 metros quadrados é uma das mais modernas fábricas de mobiliário do mundo. O local favorito de Jerzy Krzanowski é a plataforma de aço, a partir da qual supervisiona toda a nave fabril.

Observa as máquinas a serrar, perfurar e processar orlas; vê peças de madeira deslizarem sobre tapetes transportadores, desaparecerem em estações de processamento e, no fim, abandonarem a nave fabril na forma de mesas, armários ou prateleiras. "Seguir o fluxo de peças desde aqui de cima é fascinante", afirma Krzanowski. O sócio do terceiro maior fabricante de mobiliário na Europa tem orgulho na sua nova fábrica. "Não hesitaria em encarregar novamente o HOMAG Group para construir a instalação." As máquinas funcionam de forma totalmente automática, com o máximo de precisão e de forma quase clinicamente pura. Os colaboradores praticamente já não têm de sujar as mãos. A sua tarefa principal consiste em monitorizar a operação.

Por turno, saem da fábrica até 4000 componentes de mobiliário. Na maioria dos casos, cada peça é diferente. Na indústria, chamamos a isto de fabrico de tamanho de lote 1. Felizmente, longe vão os tempos em que os móveis de série eram fabricados sempre com a mesma variante. Os fabricantes disponibilizam placas, partes frontais e prateleiras em inúmeras formas, cores e dimensões. Antigamente, os carpinteiros tinham de fabricar manualmente peças diferentes, o que era sempre um processo trabalhoso. Hoje em dia, as instalações de ponta do HOMAG Group produzem em poucos minutos e com breves períodos de ajuste, por uma fracção dos custos. 

A sequência de passos de trabalho perfeita

A primeira secção da instalação de Jasło consiste num armazém, no qual são guardadas várias placas de aglomerado de madeira revestidas, com diferentes ornamentos. Sobre as pilhas, duas pontes rolantes avançam e recuam. As garras de vácuo lançam-se, como aves de rapina, às placas e mudam a sua disposição. Aquilo que parece um jogo é, na verdade, a organização perfeita. A instalação está ligada em rede e conhece os dados de produção. Sabe, portanto, que quantidade de placas, em que cor, têm de estar viradas para cima, para depois as conduzir para produção no momento certo. 

Primeiro, um programa calcula o corte perfeito. Uma serra moderna consegue cortar várias placas sobrepostas em segundos. A separação de placas individuais é realizada idealmente noutra máquina, a qual trabalha com uma fresa. Isto permite cortar desníveis, cantos e até padrões em ziguezague. Os restos de placas são reunidos automaticamente após o corte e reconduzidos para o armazém. Assim que sejam adequados para outro item de mobiliário, o comando inteligente devolve-os para a produção.

Após o corte, todas as peças recebem um autocolante com um código de barras, uma espécie de crachá electrónico. Todas as máquinas seguintes conseguem agora detectar de que componente se trata, a que item de mobiliário e a que encomenda de cliente pertence. Isto é importante porque a produção aqui é feita exclusivamente em função das encomendas. 

Leia a notícia completa na página 12 da nossa revista Edge

Publicado na DDS/Novembro de 2016. Redactor: Georg Molinski.

Voltar para a lista