Retrato de um empregado: Hartmut Vöhringer

Hartmut Vöhringer é responsável pelo controle de máquinas e sistemas há 25 anos. Ele nos conta sobre suas experiências durante esse período.

25 anos é bastante tempo, o que mudou no processo?

Quando comecei na WEINMANN, há 25 anos, ela ainda era uma pequena empresa familiar. Éramos três na área de tecnologia de controle, responsáveis por todo o pacote — desde o desenho do esquema de ligações e da construção até a montagem do armário de distribuição, a instalação da máquina e a colocação em funcionamento no local do cliente. Acompanhamos todo o percurso da máquina, desde a construção até o seu funcionamento no local. Com o desenvolvimento da WEINMANN, a área de tecnologia de controle também mudou. Por um lado, crescemos em equipe e, por outro, nos especializamos cada vez mais nas tarefas individuais.

Durante muito tempo fui responsável por toda a área de tecnologia de controle. Fiquei muito feliz em assumir essa tarefa. No entanto, sempre foi importante para mim continuar trabalhando ativamente nos projetos. Mas com o crescimento da empresa, a quantidade de tarefas administrativas para um chefe de departamento também aumentou. Há um ano, reestruturamos nosso departamento na área de novos desenvolvimentos e construções. Aqui sou o responsável por células e sistemas e posso trabalhar de novo diretamente nos projetos. Durante todo esse tempo, pude aprender muito sobre como as máquinas são usadas pelos clientes e quais requisitos elas devem atender. Isso me permitiu ganhar muita experiência, que posso aplicar hoje em novos projetos. Para mim, esse conhecimento é um dos meus maiores tesouros.

Quais acontecimentos foram decisivos para você?

No meu tempo na WEINMANN, houve obviamente as experiências mais diversificadas. Uma fase muito significativa foram dois grandes projetos desenvolvidos e instalados ao mesmo tempo. Ambos os projetos tinham um enorme escopo e eram um grande desafio. Tudo o que fizemos até aquele momento foi enorme. Claro, houve tensões em entregar os dois projetos bem e com pontualidade. Instalamos com sucesso os dois projetos no prazo determinado e os sistemas ainda estão em parte em uso até hoje. Em retrospectiva, foi um período realmente desafiador.

Um exemplo completamente diferente são os nossos atuais testes internos de aceitação de máquinas, pois no início entregamos nossos sistemas sem um teste de execução. É claro que isso muitas vezes levava a tempos operacionais mais longos no local de construção, uma vez que a colocação em funcionamento ocorria somente no local no cliente. Otimizar esse processo era importante para mim. Por isso, fui a favor de entregar as máquinas somente após a colocação em funcionamento e o teste de execução. O que hoje é padrão e indispensável, naquela época era um processo completamente novo.

Como você vê os desenvolvimentos e as mudanças?

O mundo da tecnologia de controle muda muito rapidamente. Nossos controles também passaram por muitos estágios de desenvolvimento. Para mim, a possibilidade de acessar a máquina remotamente e corrigir problemas foi uma das etapas mais marcantes. No começo, eu tinha minhas preocupações, mas sem esse acesso remoto, não seria mais possível operar máquinas com eficiência. As possibilidades hoje são simplesmente enormes. A tecnologia de controle oferece muitas funções adicionais, além da tarefa real da máquina. Nos começo, 70 – 80 % das tarefas da tecnologia de controle estavam na função da máquina, hoje em dia são 30 - 40 % talvez. Uma grande parte assume muitos detalhes diferentes, como documentação, estatísticas e avaliações. Essa é uma grande mudança.

O que é importante para você no seu trabalho?

No meu trabalho, é importante para mim que trabalhemos com muita precisão para atender às exigências do cliente. Sempre temos que focar no que o cliente precisa e priorizar isso. É importante responder às respectivas necessidades dos clientes. Para isso, precisamos estar abertos a soluções inovadoras relacionadas ao cliente, porque é disso que ele precisa.

Outra coisa que é muito importante para mim é a boa colaboração em equipe com os colegas. É importante que todos os colegas estejam envolvidos para que todos ajudem ativamente a construir e a avançar no projeto.

Qual é o papel da construção de madeira para você?

Eu acho o material madeira sobretudo muito agradável e isso também está evidente no processamento. A madeira é uma ótima matéria-prima. E estou sempre impressionado com os projetos que nossos clientes implementam, quais tipos de casas e projetos de construção eles realizam. Isso é ótimo.

A WEINMANN faz parte da HOMAG há 22 anos. Quais experiências você teve com a HOMAG?

Quando comecei na WEINMANN, eu já achava que a empresa continuaria a se desenvolver e crescer. Mas não imaginava que seria tanto. Um passo muito marcante na história também foi a entrada no HomaG Group. Na área de tecnologia de controle, nos beneficiamos muito aqui, pois também usamos a tecnologia de controle da HOMAG. Com nossa pequena equipe, não teríamos sido capazes de criar essa infraestrutura de tecnologia de controle tão rapidamente. Para isso, tivemos um contato muito próximo com nossos colegas da HOMAG desde o início. Conseguimos fazer muito pela nossa área, mas também conseguimos trazer muitas ideias. Trocamos regularmente informações sobre novos desenvolvimentos e funções nas equipes de desenvolvimento e de controle. É claro que muita coisa mudou ao longo dos anos: hoje estou na equipe de mecatrônica, por exemplo. Ainda temos bons contatos com nossos colegas da Schopfloch e sempre trocamos ideias de modo direto. Isso funciona muito bem.

Voltar para a lista