23.02.2015   |   Nova Zelândia

O portal de madeira maciça consegue processar madeira de grandes dimensões

A TimberLab na Nova Zelândia trabalha com uma das maiores e mais avançadas máquinas na área do processamento de laminados de madeira.

Com mais de quatro metros de altura, nove metros de largura e calhas dispostas ao longo de metade do comprimento da fábrica (aprox. 30 m), o portal de madeira maciça WMP 240 é uma máquina de dez toneladas com capacidade para lidar com enorme potência ou processamento automático complexo e delicado. É uma componente fulcral da crescente reputação local e internacional da TimberLab no fabrico e construção em madeira.

A TimberLab, empresa sediada em East Tamaki, fornece soluções de construção em madeira técnicas e adequadas à utilização prevista, para clientes locais e estrangeiros. A empresa foi criada em 2012, resultante da fusão entre a McIntosh Timber Laminates e a TimberBond Industries. Ambas são empresas de renome, há muito estabelecidas na indústria do processamento de madeira da Nova Zelândia, que produziam lamelado colado para estruturas, folha de madeira (LVL) e outros materiais de construção de madeira. Com a sua experiência conjunta de mais de 75 anos, actualmente sob o nome TimberLab, oferecem soluções sofisticadas, inovadoras e eficientes para todas as áreas da construção em madeira.

O director de marketing e de vendas, Owen Griffiths, explica o que levou à fusão das duas empresas: "A McIntosh trabalhava há mais de 50 anos no sector da construção em madeira comercial. A TimberBond tinha mais de 20 anos de experiência em madeira laminada e elementos de tecto para andares intermédios. Percebemos que haveria sinergia se trabalhássemos em conjunto. Além disso, podíamos alcançar o grupo crítico de que necessitávamos para avançar da produção manual para a produção automatizada."

Com a colaboração começou também a procura de maquinaria adequada para alcançar o seu objectivo ambicioso. Já tinham determinado que a produção CNC – através da integração da preparação do trabalho e do processamento CNC – era o passo óbvio para uma maior produtividade, eficiência e precisão.

A produção com a técnica CNC ofereceu a melhor possibilidade de aumento da capacidade para o trabalho tradicional, permitindo simultaneamente fazer trabalhos que antigamente não era possível.

"Começámos por averiguar as máquinas disponíveis no mercado", afirma o dirigente Grant McIntosh. "Tendo em conta a variedade de formas e materiais com que trabalhamos, principalmente os grandes e curvados elementos de placas de madeira estratificada, com os quais nos tornámos conhecidos, a primeira decisão que tomámos foi a necessidade de uma ponte de processamento." O que também é denominado de máquina de pórtico móvel, é uma máquina CNC que se desloca numa peça estática, recolhendo e utilizando a ferramenta necessária para o processamento pretendido. "Não demorou muito até percebermos que precisávamos de tecnologia de 5 eixos para obter o nível de detalhe que pretendíamos oferecer", afirma Grant.

"Trabalhamos com muitas ligações estruturais complexas, que envolvem ângulos, dobras, reentrâncias e perfurações complicadas e semelhantes. Ou seja, conseguir deslocar uma ferramenta em 5 eixos confere-nos bastante mais flexibilidade." Outros factores, incluindo custos, uma boa reputação e o serviço técnico de apoio ao cliente local também foram tidos em conta e, por fim, decidimos comprar o portal de madeira maciça WMP 240, fabricado pela especialista alemã na construção de máquinas, WEINMANN, vendido e com assistência local prestada pela empresa W & R Jack Ltd."

A WMP 240 é a maior ponte CNC da WEINMANN, desenvolvida especialmente para o processamento de peças grandes, frequentemente longas, para a construção em madeira. A barra de suporte do aparelho completa está encapsulada numa caixa com 4,1 m de altura, 9 m de comprimento e 4,7 m de profundidade, na qual ocorre o processamento. O comprimento de peça máximo que a máquina consegue processar é determinado pelo comprimento das calhas nas quais se desloca – no caso da TimberLab são 44 metros. A TimberLab tem a área ao longo das calhas configurada de modo a ser possível processar uma peça muito grande ou trabalhar em duas zonas. Neste caso, a máquina pode estar a efectuar processamentos numa zona, enquanto na outra os funcionários podem estar a processar peças anteriores ou subsequentes.

Para garantir a segurança, as áreas de processamento são separadas por uma parede móvel com 2 metros de altura, bem como por barreiras fotoeléctricas. Outra particularidade importante para a TimberLab é a possibilidade de remover tudo da área de processamento, incluindo as mesas de suporte, para permitir o processamento de elementos extremamente grandes.

Instaladas na barra de suporte do aparelho, a máquina da WEINMANN tem duas unidades de processamento de 30 kW. Numa delas está instalada uma lâmina de serra maciça com quase um metro de diâmetro, enquanto a outra, em combinação com um trocador de ferramentas de 18 compartimentos, disponibiliza diferentes ferramentas, como, por exemplo, broca, fresa e afins. Adicionalmente, existe uma unidade perfuradora de furos profundos que consegue perfurar a peça até 1,2 m na horizontal e uma serra de corrente com 450 mm de comprimento. Também está disponível uma serra sem flange mais pequena, numa Pickup-Station separada, que permite serrar a uma profundidade superior a 500 mm. 

Outra propriedade útil do processamento em 5 eixos é a possibilidade de utilizar uma ferramenta de fresagem em forma de V, para criar um canto de 90 graus, simultaneamente inclinando e deslocando a ferramenta para baixo. Todas estas ferramentas são guardadas no trocador de ferramentas dentro da cabina fechada, para onde a máquina se desloca quando é necessária uma determinada ferramenta.

Como explica Owen, há muitas vantagens em dispor de formas de processamento tão sofisticadas. "Originalmente, fabricávamos à mão, por isso é sobretudo a poupança de tempo que faz a grande diferença", conta. "Agora, oferecemos serviços e recebemos encomendas de trabalhos que anteriormente não poderíamos executar. Ou seja, alargámos definitivamente o nosso leque de serviços. Este elevado nível de processamento CNC trouxe-nos prestígio não só nas proximidades, mas também nos mercados internacionais. Os clientes mostram um elevado nível de confiança em nós, no que diz respeito às nossas capacidades e ao produto final que adquirem posteriormente."

A TimberLab trabalha frequentemente com base em esboços. Estes são preparados internamente em CAD, pelo que é atingido um elevado nível de pré-fabrico. A precisão e qualidade replicáveis oferecidas pela máquina da WEINMANN implicam ainda outra vantagem: "Temos clientes em pontos do mundo onde falta pessoal especializado", explica Owen. "Poder oferecer soluções que não se limitam a satisfazer as necessidades estruturais do projecto, mas que também se traduzem numa montagem simples, constitui um argumento de vendas adicional. Com o auxílio do processamento CNC, podemos produzir dobras, chanfraduras ou entalhes detalhados e, consequentemente, pré-fabricar ligações entre os componentes de tal forma que a sua montagem no estaleiro seja um processo simples e rápido. Assim, a precisão dos elementos produzidos é atingida desde o fabrico, o que dispensa a sua criação no estaleiro."

A TimberLab sabia que o passo de produção CNC estaria associado a uma curva de aprendizagem do gabinete de design muito acentuada. "Actualmente, trabalhamos muito mais frequentemente com modelos 3D", diz Owen. "Utilizamos o Cadwork para conceber e desenvolver os nossos produtos, utilizando recursos internos ou externos consoante as necessidades. Aperfeiçoar um modelo 3D antes da produção é extremamente importante porque as peças fabricadas pela TimberLab têm um elevado valor. E a máquina fresa ou perfura precisamente onde se pretende, e rapidamente. Isto significa que é mesmo necessário que os detalhes coincidam ao milímetro com o processamento", diz Grant. "Apesar de a máquina possuir software CAM próprio e simular processamentos para excluir colisões, não é possível encontrar erros de planeamento. Para garantir que tudo o que a máquina CNC processa está correcto a 100%, os componentes são criados como modelos 3D antes de qualquer processamento."

Outra condição indispensável para resultados de processamento com precisão ao milímetro é que a WMP conheça as posições e dimensões exactas de todas as peças a processar. A máquina projecta um retículo a laser que corresponde às orlas e aos cantos da peça. Assim, definem-se os pontos de referência.

Olhando para o ano de produção com o portal de madeira maciça da WEINMANN, a equipa TimberLab pode agora avaliar as mudanças revolucionárias no seu processo de produção. "As mudanças realizadas na TimberLab até ao fabrico CNC com uma máquina desta dimensão não podem ser subestimadas", afirma Owen. "Mas uma equipa dedicada e o apoio da WEINMANN e da Jacks possibilitaram-nos uma boa compreensão na matéria. Além de aprender a operar a máquina, tivemos ainda de dominar outros temas: aspiração do pó, questões de saúde e segurança, implementação do software CAD. Fizemos muitas experiências com as ferramentas que devemos usar para que processos e com a forma como as ferramentas se comportam com diferentes materiais." E, com a experiência crescente em produção, verificou-se na TimberLab o intercâmbio com outras empresas da Europa que trabalham com máquinas da WEINMANN, esclarece Grant. "Nós falávamos do que tínhamos aprendido e ouvíamos sobre os processos de aprendizagem dos outros. Consideramos uma excelente oportunidade para nos ajudarmos mutuamente a desenvolver a nossa formação. Porém, existe ainda outro tema ao nível da formação, nomeadamente informar a indústria sobre o que a TimberLab consegue fazer graças à WEINMANN WMP."

"A nossa implementação passo-a-passo foi uma estratégia cuidadosamente pensada", resume Owen. "Sabíamos que ia demorar a adoptar novos métodos e sabíamos que tínhamos de tratar da nossa carga de trabalho durante a formação." A TimberLab chegou agora ao ponto em que as diversas funções das máquinas podem ser aproveitadas ao máximo. "Agora, só precisamos que designers e fabricantes reconheçam o enorme potencial que aqui temos", conta Owen. "Juntos, podemos agora explorar os potenciais das estruturas em madeira."

Fonte: TimberLab Solutions Ltd.

Voltar para a lista